banner ocb
Alternativa

Pai

Quando eu nasci meu pai estava preso. 1964. Era comunista. Cristão. Secretário de educação em Natal. Na infância a minha avó evitava o bico do pão pra ele não se engasgar. Não sabia nadar. Não sabia andar de bicicleta. Nunca viu uma arma de fogo. Mas, para o regime militar ele era um cara perigoso.

O perigo do meu pai estava nos seus olhos de gato. Escrevia um texto melhor do que dirigia um carro. Dirigia um carro como escrevia um texto. Não era bom nisso. Um dia, na Barra, bateu com o carro. Decidiu parar de dirigir. Me disse: “Tá na hora de parar”. Eu tinha nove anos. Isso foi um alivio pra família e pra cidade.

Vim pro Rio com um ano de idade. Criado pela minha avó Chiquinela. Penso se melhor não seria se tivesse ficado por lá em Natal. Mas, vida que segue. Lembro de Murilo Mendes “Nasci nu. Quando vi me sussurraram: Adeus, desde já adeus.”

Murilo estava errado. Em se tratando de meu pai não há adeus. O anel de advogado do meu pai deve ficar com meu irmão mais velho.

banner ocb
1 Comment

1 Comment

  1. Ana Maria Araújo

    30/05/2017 at 03:54

    Comovente.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top